Inicial Artigos Provérbios 1

Provérbios 1

 

 

Introdução

 

O estudo a seguir está no formato de um esboço, tirando lições de cada versículo ou grupo de versículos. O artigo está dividido em 2 partes.

 

A primeira, é especificamente da aplicação dos ensinamentos destre trecho da Bíblia para a criação de filhos. A segunda parte consiste de ensinamentos gerais.

 

Para fazer download de mensagem em áudio (mp3) sobre Provérbios 1:20-33 clique aqui com o botão direito e escolha "salvar destino como".

 

Parte 1 - Ensinamentos do pai e da mãe para os filhos

 

1:8  Filho meu, ouve a instrução de teu pai, e não deixes o ensinamento de tua mãe,  

PAI => instruir

Repare, em toda a Bíblia, que a responsabilidade pela “instrução” dos filhos em relação às coisas de Deus é do PAI. Muitos pensam que o pai deve trabalhar fora e a mãe é que deve ensinar a Bíblia para os filhos. A verdade é que o homem deve trabalhar fora, sustentar a casa, e, com todo tempo e recursos que tiver, deve ter esta prioridade em vista, que é garantir que seus filhos sejam instruídos nas coisas de Deus. A mãe pode e deve ensinar as coisas de Deus para os filhos, mas os PAIS não podem fugir da responsabilidade que está sobre os seus ombros.

 

 

MAE => dar a lei

A lei da mãe é dizer, por exemplo, o horário para o filho ir dormir, o horário de acordar, o horário de estudar, se pode ou não sair de casa, se pode ou não ir para a casa do amigo brincar, etc. Isso não está escrito na “lei de Deus”, não está escrito na Bíblia, mas a mãe tem autoridade divina para decretar a lei para seus filhos, nestas coisas do dia-a-dia em que os pais vão decidir por si mesmos.

 

 

1:9 Porque serão como diadema gracioso em tua cabeça, e colares ao teu pescoço. 

Mostrar aos filhos a recompensa por ser obediente

 

 

1:10 Filho meu, se os pecadores procuram te atrair com agrados, não aceites.

Avisar os filhos sobre a sedução que virá das más influências

 

 

1:11-14 Se disserem: Vem conosco a tocaias de sangue; embosquemos o inocente sem motivo; Traguemo-los vivos, como a sepultura; e inteiros, como os que descem à cova; Acharemos toda sorte de bens preciosos; encheremos as nossas casas de despojos;  Lança a tua sorte conosco; teremos todos uma só bolsa! 

Explicar aos filhos, NA PRÁTICA, como é que ocorrerá esta sedução

 

 

1:15 Filho meu, não te ponhas a caminho com eles; desvia o teu pé das suas veredas;

Mandar afastar-se

a) Da companhia dos pecadores

b) Das veredas dos pecadores (lugares que eles vão, coisas que eles fazem, músicas que eles ouvem, costumes que eles têm)

 

 

1:16 Porque os seus pés correm para o mal, e se apressam a derramar sangue. 

Explicar que esses pecadores são MAUS, não são "gente de bem", nem "neutros".

 

 

1:17-18 Na verdade é inútil estender-se a rede ante os olhos de qualquer ave. No entanto estes armam ciladas contra o seu próprio sangue; e espreitam suas próprias vidas. 

Explicar que essas práticas deles são auto-destrutivas, eles fazem mal a si mesmos

 

 

1:19 São assim as veredas de todo aquele que usa de cobiça: ela põe a perder a alma dos que a possuem.

Advertir que esses pecadores não ficarão impunes.

  

 

Parte 2 - Ensinamentos diversos

 

 

1:2 Para se conhecer a sabedoria e a instrução; para se entenderem, as palavras da prudência. 

O propósito do livro é "para se conhecer" a sabedoria e a instrução, e "para se entenderem" as palavras da prudência. Ao contrário do que os teólogos liberais estão ensinando, Deus não escreveu a Bíblia como um livro "complicado", que ninguém seja capaz de traduzir nem de entender corretamente.  O propósito é que conheçamos e entendamos as palavras da sabedoria, instrução e prudência dadas por Deus.

 

 

1:3-4 Para se receber a instrução do entendimento, a justiça, o juízo e a eqüidade;  Para dar aos simples, prudência, e aos moços, conhecimento e bom siso;

A Bíblia não é compreensível apenas para uma "elite" que possui curso de teologia, domínio da língua grega e hebraica. A sabedoria está compreensível para "os simples" e "os moços".

 

 

1:5 O sábio ouvirá e crescerá em conhecimento, e o entendido adquirirá sábios conselhos;

A partir do momento que alguém ouve as palavras de Deus, sua designação passa a ser "sábio" e "entendido". O sábio ficará cada vez mais sábio, e o entendido crescerá cada vez mais em conhecimento, na medida em que perseverar em buscar conhecer as palavras de Deus.

 

 

1:6 Para entender os provérbios e sua interpretação; as palavras dos sábios e as suas proposições. 

Os biblicamente sábios são capazes de entender a sabedoria acerca de qualquer assunto que seja proposto por outros sábios.  

 

 

1:7 O temor do Senhor é o princípio do conhecimento; os loucos desprezam a sabedoria e a instrução.

Não existe verdadeiro conhecimento sem o temor do SENHOR. Qualquer pessoa que despreza a sabedoria e a instrução é chamada de TOLO. Pode ser um salvo ou um perdido. O salvo nunca deixará de ser salvo, ou seja, ele tem a vida eterna dada por Jesus Cristo. Mas, se mesmo sendo salvo ele agir como um tolo, ele colherá, nesta vida terrena, o mesmo fruto corrompido que qualquer tolo colhe, ou seja, casamento destruído, vida sem alegria nem paz aqui na terra. A salvação eterna da alma é de graça, pela fé, sem obras (Ef 2:8-9), mas uma vida, aqui na terra, cheia de paz e alegria espiritual é só para aqueles que andam segundo a sabedoria de Deus.

 

1:8 Filho meu, ouve a instrução de teu pai, e não deixes o ensinamento de tua mãe,

O primeiro conselho de sabedoria, após temer o SENHOR, é ouvir a instrução do pai e a lei da mãe. Quem é rebelde contra os pais está incapacitado de adquirir sabedoria.

 

 

1:9 Porque serão como diadema gracioso em tua cabeça, e colares ao teu pescoço.

Deus promete recompensa a quem anda segundo a sua sabedoria. Os ímpios também prometem recompensas aos que seguem seus maus caminhos (1:13-14). Tudo se resume em fé. Os ímpios confiam nas falsas recompensas do pecado e duvidam das verdadeiras recompensas de Deus, especialmente a promessa da vida eterna em Jesus Cristo.

 

 

1:10 Filho meu, se os pecadores procuram te atrair com agrados, não aceites.

a) Assim que termina de falar sobre o pai e a mãe, começa a falar sobre os assédios dos pecadores, para tentar desencaminhar a pessoa. Os pais precisam focar em instruir seus filhos a ficarem longe destes pecadores (1:15-16) e devem mostrar que eles são mentirosos, que na verdade não há recompensa nenhuma, mas sim destruição vindo para o lado deles (1:18-19).

 

 

b) Os pecadores "procuram te atrair com agrados". Eles não falam abertamente, não são "pregadores", eles são "negociadores", políticos, cheios de agrados.

 

 

1:10, 15 Filho meu, se os pecadores procuram te atrair com agrados, não aceites....Filho meu, não te ponhas a caminho com eles; desvia o teu pé das suas veredas;

A reação correta é "não aceitar" e "não se por a caminho com eles" e "desviar o pé de suas veredas".  Não é apenas "não fazer o que eles fazem", mas andar por outro caminho, diferente do que eles andam. O caminho é o que leva ao destino, ou seja, não é para imitar os costumes deles, nem frequentar os mesmos lugares que eles, nem andar junto com eles, nem ter intimidade com eles. A Bíblia toda, e especialmente em Provérbios, nunca ensina apenas a evitar o "destino" deles, mas sobretudo ensina a evitar o "caminho" deles.

 

 

1:20, 21 A sabedoria clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras: 

a) A sabedoria "clama". Os pecadores usam agrados, procuram atrair, são negociadores, políticos. Mas a sabedoria "clama", "levanta sua voz" e "brada". Este é o método bíblico de pregar a verdade. Não há "agrados" nem "procurar atrair" ninguém. Não há "política" nem negociação, mas sim a pregação pura e simples das "suas palavras".

 

 

b) A sabedoria clama "lá fora". Ao contrário do que as religiões orientais, Hollywood, a nova era e o humanismo ensinam, a "voz interior" do homem é a voz da mentira, a voz do engano e da perversidade (Jer 17:9). Os pentecostais também exercem uma modalidade desta prática, com suas "visões" e "sonhos" e "revelações" falsas, que discordam da palavra escrita de Deus (Isa 8:20) - não passam de "vozes interiores" que eles atribuem ao Espírito de Deus. A sabedoria não está em ouvir a voz "interior", mas a sabedoria está "lá fora", está em Deus e na sua palavra revelada e escrita.

 

 

1:22 Até quando, ó simples, amareis a simplicidade? E vós escarnecedores, desejareis o escárnio? E vós insensatos, odiareis o conhecimento? 

Não existe "neutralidade". Os simples "amam" a simplicidade, os escarnecedores "desejam" o escárnio e os insensatos "odeiam" o conhecimento.

 

 

1:23 Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras. 

a) É necessário atentar (a palavra traduzida originalmente por Almeida na versão de 1819 é "tornai-vos", ou seja, "dar meia volta e atentar para").

 

 

b) Deus não quer se esconder daqueles que atentam para suas palavras. Ele quer "derramar abundantemente seu espírito" e "fazer saber" suas palavras.

 

 

1:24-25 Entretanto, porque eu clamei e recusastes; e estendi a minha mão e não houve quem desse atenção,  Antes rejeitastes todo o meu conselho, e não quisestes a minha repreensão, 

O problema não é que Deus não se revela. Deus "clama" e "estende sua mão". O problema é que o homem "não dá atenção", "rejeita" e simplesmente "não quer". Isso mesmo, ao contrário do que o Calvinismo afirma, a Bíblia ensina que o homem possui, sim, um QUERER. Neste trecho, Deus julga o ímpio pelo que ele fez ou deixou de fazer com o seu QUERER. O ímpio NÃO QUER a repreensão de Deus (1:25). O homem está mais preocupado com a televisão, com seu conforto e não está preocupado em aprender a sabedoria. Na verdade, o homem não possui interesse e não quer a sabedoria porque ele está amando, desejando sua própria tolice (1:22).

 

 

1:26 Também de minha parte eu me rirei na vossa perdição e zombarei, em vindo o vosso temor. 

Neste contexto, está se falando do perdido e não do salvo, o versículo seguinte fala que ele sofrerá a "perdição". Esses ímpios riem e zombam de Deus, mas Deus é que rirá e zombará deles. Eles pensam que Deus é um grande "bobão", mas os bobos são eles. Eles vêem a longanimidade de Deus, que não os destrói de imediato, antes dá tempo para que eles se arrependam (II Pe 3:9). Mas eles confundem esta longanimidade com impunidade, acham que seus pecados nunca terão consequências, e é aí que se enganam.

 

 

1:27 Vindo o vosso temor como a assolação, e vindo a vossa perdição como uma tormenta, sobrevirá a vós aperto e angústia. 

A Bíblia dá CERTEZA de que o pecador encontrará "temor", "perdição", "aperto" e "angústia". Não diz quanto tempo vai levar para acontecer, mas dá certeza de que irá, sim, acontecer. Essas coisas virão como a "assolação", como a "tormenta", ou seja, virão de repente, ninguém tem como prever o dia nem a hora, mas elas vêm e destroem e não há como escapar.

 

 

1:28 Então clamarão a mim, mas eu não responderei; de madrugada me buscarão, porém não me acharão.

Ao contrário do que muitos pensam, a oportunidade de buscar a Deus não está disponível "para sempre". A Bíblia manda buscar a Deus "enquanto se pode achar" e invocar o Senhor "enquanto ele está perto" (Isa 55:6). Por isso não se pode abusar da paciência e longanimidade de Deus, porque mesmo que a pessoa permaneça em vida, Deus pode decidir dar um "basta" e não permitir mais que a pessoa compreenda as Escrituras nem a sabedoria (Isaías 29:9-14). Depois que a pessoa morrer, então, aí sim não tem mais jeito mesmo, porque depois da morte vem o juízo (Heb 9:27). O dia de ouvir a voz de Deus é HOJE (Heb 3:15), Deus não garante que se você quiser buscá-lo amanhã você irá encontrá-lo.

 

 

1:29-31 Porquanto odiaram o conhecimento; e não preferiram o temor do Senhor: Não aceitaram o meu conselho, e desprezaram toda a minha repreensão.  Portanto comerão do fruto do seu caminho, e fartar-se-ão dos seus próprios conselhos. 

Deus avalia o que o homem fez com as oportunidades que teve e lhe dá a justa retribuição, que é fazê-lo colher o fruto de sua própria tolice. O salário do pecado é a morte (Rom 6:23a). Quem viver no pecado, do pecado vai colher a morte, isso é fato.

 

 

1:32 Porque o erro dos simples os matará, e o desvario dos insensatos os destruirá. 

Onde diz "desvario" foi traduzido na versão João Ferreira de Almeida de 1819 "prosperidade", igual na Bíblia em inglês versão King James. Eles se gloriam na sua prosperidade, mas a prosperidade dos tolos os destruirá.

 

 

1:33 Mas o que me der ouvidos habitará em segurança, e estará livre do temor do mal. 

A salvação eterna é de graça. Tudo que alguém tem que fazer para ser salvo é "dar ouvidos" a Deus, e então "habitará em segurança", e estará "livre do temor do mal". A fé vem pelo OUVIR e o ouvir pela palavra de Deus (Rom 10:17).

 

 

 Ir para Provérbios 2

Última atualização em Qui, 21 de Outubro de 2010 00:03
 

 

 

 

 

   

 

  Locations of visitors to this page    The Fundamental Top 500   The Baptist Top 1000